segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Animação na Escola Secundária Campos Melo


Decorria a noite do dia 13 de Novembro, terça-feira, pelas 21 horas quando a Desertuna saiu para mais uma actuação. Desta vez, deslocou-se até à Escola Secundária Campos Melo para a animação do jantar que nela decorria.

Durante a actuação, houve muita alegria, um grande convívio e, como não podíamos deixar de se referir, o grande apoio e muita boa disposição das dezenas de pessoas presentes no evento que contribuíram para o favorável decorrer deste evento, aplaudindo e cantando cada música. Contámos também com a presença de público estrangeiro que, como não percebiam a nossa língua mãe, ouviam atentos a tradução da apresentação e breve explicação de todas as nossas músicas.

A animação e divertimento que o público mostrava foram contagiantes e no final ouviu-se cantar os parabéns a uma das pessoas presentes em línguas como inglês, polaco, espanhol, checo, entre outras.

Foi uma noite repleta de boas energias e de convívio saudável tanto entre quem é 'nosso' como aqueles que estavam de visita.

Esta não deixa de ser uma boa maneira de levar a música tradicional e académica do nosso país até além-fronteiras. Como tal um muito obrigado pelo convite e pela oportunidade de contacto com quem vem de longe. 



quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Magusto no Dominguiso


No passado dia 1 de Novembro a Desertuna deslocou-se à freguesia do Dominguiso com o intuito de Festejar o Magusto.

Foi uma tarde muito bem passada, regada de divertimento e boa disposição. O plano das festividades foi partilhado com a tuna afilhada: a TUSALD, que estiveram sempre presentes na animação da tarde das dezenas de pessoas presentes. A tuna cantou parte do seu repertório, tocando músicas tradicionais que foram recebidas de bom agrado pelos locais, que se juntaram à festa dando um pezinho de dança.

Venham mais tardes como esta, com muita animação, muita música e boa jeropiga…



Um dia com 25h de animação


No passado dia 27 de Outubro a Desertuna esteve pela Covilhã, num dia que envolveu um pouco de tudo. Incluindo actuações no mercado, actuações no lar de S. José e até uma actuação no palco do Teatro Municipal.

O dia começou por voltas das 9:00h, quando nos deslocámos até ao mercado da Covilhã para tocar a toda a gente que fazia as suas compras e aos mercantis, animar o ambiente geral e espalhar a boa disposição que trazemos sempre connosco, o repertório rodado foi o Medley popular, Mafrada, Hino à Desertuna, Rapariga, Covilhã, e serenatas, músicas mais direccionadas à vivacidade típica de um dia de mercado.

Após cerca de duas horas fomos ao café Clave de sol, onde tomámos o nosso café da manhã e tivemos o nosso momento criativo com o nascimento da ode: “O bagaço dá-me força”, fruto da inspiração dada pela jeropiga que nos foi ofertada no café do mercado.
Depois de cantarmos a “Balada do desajeitado” com imensa gratidão pela forma como fomos recebidos, fomos até ao Pelourinho onde estivemos o resto da manha a cantar e a conviver com a cidade.




Pelas 13.00h fomos até ao jardim público para realizarmos um “almoço de tuna improvisado”. Sentados nos bancos do jardim, aguardámos as pizzas que foram encomendadas, servindo-nos para restabelecer as energias após uma manhã bastante agitada. Foi um almoço num ambiente descontraído devido ao tempo muito agradável que se fazia sentir.

Depois um café tomado no Café do jardim, fomos até ao lar de S. José, onde arrancámos sorrisos e trouxemos de volta o espírito juvenil aos mais idosos, que aplaudiram com muita energia ao som das músicas que se iam ouvindo.




Era agora tempo de ir para o Teatro Municipal para realizar o check sound para a actuação que se avizinhava à noite, no âmbito do evento “I Alma e a Beira”, organizado pela Tuna-Mus.
Seguidamente pelas 17.00-18.00h, a participação no Beer Battle, frente à Câmara Municipal foi refrescante e serviu para elevar o espírito e a mente até ao jantar convívio na companhia de todas as tunas no BA.

Terminado o jantar, pelas 21:00h, a Desertuna foi então para o Teatro Municipal para a actuação no palco que tão bem conhecemos do Festubi. A actuação contou com as músicas “Hino à Desertuna”, “Boémio Trovador”, “Toninho”, “Covilhã”, “Caloirinha dos meus sonhos” e “Tributo aos Xutos e Pontapés” e arrancou muitos aplausos do público.

Após a actuação seguiu-se a consequente copofonia, que se prolongou até muito tarde (ou muito cedo, dependendo da perspectiva), com o after party na Companhia.

Recepção ao Caloiro 2012 - Dia de Latada


Na passada quarta-feira, dia 17 de Outubro a Desertuna voltou a subir a palco em pleno pavilhão da ANIL para cumprir a tradição e actuar perante o seu público, depois dum dia de latada cansativo e molhado.

A Desertuna foi a quarta tuna a actuar e contou mais uma vez com uma plateia bem composta e sempre divertida à qual agradecemos desde já, porque é por vocês que subimos a palco e tentamos dar sempre mais e melhor!

Não faltaram surpresas nesta noite, uma delas foi a apresentação da nova música da Desertuna – “Latada”, que fala sobre todo o ritual do cortejo, retratando as vivências do caloiro desde que sai do sítio de latada até chegar ao pavilhão da ANIL!
Para quem quiser ver ou rever a nova música e letra que dê um saltinho ao site da tuna em desertuna.com/cancioneiro.html

Depois da actuação a animação continuou desta vez no “rés-do-chão”, mais perto dos bares onde entre cerveja e "shots" se viveu mais uma noite da nossa recepção ao caloiro até os primeiros raios de sol da manhã chegarem.

Resta-nos agradecer à AAUBI pelo convite e a todos os que nos apoiaram, estando presentes ou não, com a promessa de voltar à ANIL já pela Semana Académica 2013 cheios de força!

Desejamos também os parabéns a todos os caloiros e respectivas comissões de latada.


terça-feira, 13 de novembro de 2012

“Troca de Palavras” na Câmara Municipal da Covilhã


Inserido no evento “Troca de Palavras”, A Desertuna actuou na Biblioteca Municipal da Covilhã, na noite do passado dia 12 de Outubro. A tuna juntou-se ao evento e animou uma tertúlia já habitual deste espaço e que, desta feita, era uma “Troca de Palavras” com o Sr. Presidente da Câmara Municipal da Covilhã, o excelentíssimo doutor Carlos Alberto Pinto.

Para dar um pouco de calor a uma noite que se fez sentir fria, os trovadores cantaram o “Hino à Desertuna”, seguido de “Toninho e por fim, como não poderia deixar de ser, a música que fala sobres os encantos da bela Cidade Neve, “Covilhã”.

Como quantidade não é sinonimo de qualidade, energia e boa disposição não faltaram nesta actuação que, por mais curta que tenha sido, se revelou muito bem recebida pelos presentes, para os quais esta foi uma surpresa.

Mas como a noite era ainda uma criança, a Desertuna foi encher de alegria os corações das mais belas donzelas da Covilhã, cantando serenatas, de janela em janela, pela noite dentro.

Assim a Desertuna, mais uma vez, encheu as ruas de Covilhã com alegria e muita música. 

No final da noite houve ainda tempo para acolher mais um membro na família Desertuna: David "Gaga 93" Ludovino, porta-estandarte. Muitos parabéns Gaga 93.

Feira de S. Miguel em Lisboa


Organizada pela Casa da Covilhã em Lisboa, a Feira de S. Miguel teve lugar no Mercado da Ribeirinha, no passado dia 7 de Outubro. Um dos objectivos deste festival era juntar os “filhos da terra” num espaço onde se comercializaram produtos regionais da Beira Interior.

Nesse espírito, a Desertuna arrumou os instrumentos, preparou trovas e partiu rumo a Lisboa, para se juntar aos evento e mostrar aos presentes um pouco daquele que é o espírito académico e tunante vivido na nossa Cidade Neve. Cidade esta que era a origem de muitos dos que por ali passeavam.


E por falar em origem, este dia foi também uma oportunidade para rever alguns Xás, que se deslocaram até ao local para actuar junto com a tuna, e um dos fundadores da tuna, Luís “Coimbra” Fonseca, que não hesitou em assistir com um sorriso no rosto a uma das intervenções que a sua tuna deu na entrada do local.


Sempre bem-dispostos, os Desertunos não perderam uma oportunidade para cantar e dançar umas modinhas populares com os presentes que se mostraram muito receptivos ao espírito festivo da Tuna. 


O dia contou com a actuação de vários grupos musicais e ranchos das freguesias do concelho da Covilhã que iam animando quem por ali passava para provar e comprar alguns dos produtos mais típicos.
A Desertuna também subiu a palco e cantou algumas das suas canções, como “Covilhã”, “Toninho” e “Tributo a Xutos e Pontapés”, deixando no coração dos presentes saudade da sua “alegre casinha”, a Covilhã.
Depois de um dia muito animado e preenchido por diversos momentos de música e boa disposição, a tuna regressou à Cidade Neve. 
De regresso a casa, um novo tuno foi acolhido no seio da família Desertuna: Walter “Sebastião” Costa, pandeireta. Muitos parabéns Sebastião.

Encontro de Tunas do B.A.


No seguimento do “Programa de Integração ao Caloiro” a AAUBI organizou, na passada quarta-feira dia 3 de Outubro, um Encontro de Tunas no Bar Académico (B.A.) e como tal a Desertuna, marcou presença.

Esta noite, preenchida por cantorias tunantes e bastante cevada (e não só) à mistura, contou com a presença de todas as tunas da UBI: Encantatuna, C’a Tuna aos Saltos, Tuna-Mus, Desertuna, As Moçoilas, e Já b'UBI & Tokuskopus.

Tanto antes como depois da pequena actuação do alinhamento das tunas, a Desertuna não deixou de presentear várias melodias bem animadas aos estudantes e amigos ali presentes que, como não poderia deixar de ser, se juntaram à festa.

Depois da actuação de todas as tunas presentes, com já mais alguns brindes e uns bons litros do tão académico chá de cevada, a festa continuou noite fora contando sempre com a animação e entusiasmo da comunidade Ubiana. 

Festa da Desertuna nos Leões


Depois de uma breve pausa, a Desertuna fez por recomeçar o ano lectivo em grande e juntar-se com os seus fãs e amigos da comunidade estudantil e fazer uma festa, desta feita nos Leões da Floresta.

Para começar a noite enquanto estes trovadores aqueciam já as vozes e a garganta com o característico bagaço com mel, a noite de 27 de Setembro contou com a presença da banda “Português Suave”, que voltou à Cidade neve depois de alguns anos e que deixou os Leões ao rubro até ao momento da actuação da Tuna e, posteriormente, pela noite fora.

Tal como já é hábito, a Desertuna fez por animar e divertir os seus fiéis espectadores bem como os caloiros que a viram pela primeira vez. A actuação abriu com “Hino à Desertuna” e “Rapariga”, mas foi com “Toninho”, “Covilhã” e “Tributo a Xutos e Pontapés” que o público mais se entusiasmou e cantou com a tuna. Retribuindo, a “Caloirinha” foi dedicada a todos os caloiros presentes.

Já a altas horas, a festa aproximava-se do fim com todos bem quentinhos, pelo calor que as happy hours do bagaço com mel ofereciam. O mesmo que fez cantar ainda com mais vontade todos os que por ali foram passando e assistindo ao que a Desertuna promete continuar a presentear àqueles que a acompanham. 

Música, animação, bagaço com mel, haja sempre mais!

5º Festival da Cherovia - Mais uma edição concluída


Dias 20 a 23 de Setembro realizou-se no Jardim Público da Covilhã o V Festival da Cherovia, aquele que é o único festival dedicado a este tubérculo característico da Beira Interior. 
A Cherovia, que se fritou e vendeu na hora ao longo de todo o festival, podia ainda ser comprada inteira, ao quilo. Este vegetal tem uma forma semelhante à de uma cenoura, a cor do nabo e um sabor adocicado. Este «é um produto versátil» com o qual se pode fazer um pouco de tudo, «desde sopas a sobremesas».

Em paralelo a todas as vendas e barraquinhas de produtores e instituições da Covilhã, marcaram ainda presença os também já habituais espectáculos musicais onde participaram, inclusive, tunas: Encantatuna, C’a Tuna aos Saltos e Desertuna.

Mais uma vez a organização deste festival teve a participação de Covilhã Eventos, Banda da Covilhã e Desertuna, com o intuito de promover o que de melhor e mais característico há na Beira Interior.
Este festival visa ainda dar a conhecer um pouco mais e melhor da nossa Cidade Neve, ficando a promessa de que, quem já foi sabe, é diversão garantida. 

Para os que ainda não provaram a cherovia no Festival, deixamos a dica: venham provar a cherovia numa futura edição e, quem sabe, acompanha-la com um bom bagaço com mel, que também marcou presença na barraquinha da Desertuna.