sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Natal Solidário

Decorre uma das mais belas épocas do ano, o Natal, e este traz consigo o reencontro de muitas famílias aquecendo assim o coração pelo cessar da saudade de muitos que por força maior estão fora da sua terra de coração, o sorriso no rosto dos mais pequenos por ouvirem o rasgar dos papeis de embrulho e uma mesa recheada e composta pela mais pura tradição portuguesa!

Como todos sabemos, infelizmente, nem todos têm a possibilidade de acolher, da forma mais desejada, em suas casas esta época natalícia. Com o objectivo de proporcionar um melhor Natal a quem menos pode, a Desertuna e os Leões da Floresta, com o apoio do GIR do Rodrigo, da Universidade da Beira Interior e do banco Santander Totta, organizaram o evento ”Natal Solidário”, que teve como objectivo a angariação de um fundo monetário, roupas e brinquedos para posterior distribuição por algumas instituições da Covilhã.

Numa altura do ano em que, tipicamente, este tipo de acções se multiplicam, a Desertuna não quis deixar de tentar dar o seu contributo, com a vontade e a esperança de que a iniciativa se possa repetir, noutras alturas do ano.


Este evento decorreu durante os dias 16, 17 e 18 de Dezembro com seguinte ordem de actividades:

Dia 16: Sarau de Natal, no anfiteatro das Sessões Solenes da Universidade da Beira Interior. O evento contou com com as actuações da Encantatuna, do grupo Dança e Movimento do GIR do Rodrigo, da Tuna-MUs, do Grupo de Fados da UBI, da Sweet Wood e, para encerrar o espectáculo, da Desertuna.

Dia 17: Noite académica nos Leões da Floresta.

Dia 18: Entrega dos bens angariados a instituições do concelho da Covilhã.

O Sarau de Natal levou alguns estudantes e o público covilhanense até ao polo principal da UBI, que para além de se terem juntado à campanha solidária, presentearam cada actuação com a sua companhia e com os seus aplausos.
Na festa organizada nos Leões da Floresta, por cada venda da bebida solidária, o valor revertia na totalidade para o fundo monetário do projecto Natal Solidário.

Os valores monetários foram trocados por um cabaz de alimentos no supercado Canário - que gentilmente ajudou também a compor o cabaz. Juntamente com alguns brinquedos, os alimentos foram entregues à Casa do Menino Jesus da Covilhã. As roupas recolhidas durante o evento foram entregues à Santa Casa da Misericórdia.

A Desertuna e os Leões da Floresta agradecem, do fundo do coração, a todos os grupos e a todas as instituições que participaram neste evento, pela valiosa ajuda!

Saudações Natalícias e continuação de Boas Festas são os desejos da Desertuna - TAUBI!


PS: Depois das mini-férias, muitas surpresas a caminho... ;)

VIII Encontro de Tunas Académicas do Souto da Casa

Foi no passado Sábado, dia 14 de Dezembro, que a nossa mui nobre tuna se deslocou até à sempre acolhedora e festivaleira aldeia do Souto da Casa, concelho do Fundão. Esta é já uma data garantida no calendário anual da Desertuna, pelo valor que este convívio tem para nós e pelas amizades que por lá fazemos a cada ano que passa.

Este ano, além da habitual presença da Desertuna, o Encontro de Tunas Académicas contou com a presença da EncantaTuna – Tuna Académica Feminina da Universidade da Beira Interior, dos nosso afilhados da TUSALD - Real Tuna Académica da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias e da Instituna - Tuna Mista do Instituto Politécnico de Leiria.

Os preparativos começaram logo na noite anterior, quando a Desertuna se juntou para um ensaio aberto no Café Skyline, com o intuito de rever os últimos pormenores e praticar as hostilidades etílicas com alguma antecedência, não fosse o diabo tecê-las...

A festa propriamente dita começou com um pasacalles pelas ruas e cafés do Souto da Casa, pelas 15h. A tarde incluiu ainda a habitual visita ao Centro de Dia do Souto da Casa, momento sempre muito gratificante para a Desertuna. A tuna foi acolhida por toda a gente presente, em cada tasquinha por onde entrava, e retribuiu com muita animação e muita música. Após vários quilómetros, muitas guitarradas e já a ver os paralelos de lado, chegou a hora de jantar. Durante o delicioso repasto houve também tempo para o convívio e para a brincadeira entre os elementos das tunas presentes.

Regressando à “base”, na Casa do Povo, "ainda a noite era uma criança" a actuação da Desertuna fechou as apresentações das tunas convidadas, como é hábito. As palmas soaram ao primeiro acorde e a Desertuna foi correndo o seu reportório habitual, sem se preocupar muito com as horas, e mais algumas músicas com espírito mais festivaleiro, que animaram o público espectacular do Souto da Casa.


Este foi um ano de surpresas durante a actuação... Logo a abrir, a tuna apresentou um arranjo de uma música sobejamente conhecida - “Blow My Whistle” -, adaptando a letra para este encontro, o que lhe valeu a distinção de Melhor Música dedicada ao Souto da Casa, que é habitualmente entregue pela organização. Por outro lado, durante a actuação, brilharam duas figuras incontornáveis da terra e grandes amigos da Desertuna. O "embaixador" do Souto da Casa, Filipe Quelhas, deu o seu cunho à festa, ao cantar para toda a gente, acompanhado à gaita-de-foles pelo Tiago, o grande êxito "Namorei uma Sopeira", que é já um hino da visita anual da Desertuna!


A alegria continuou pela noite dentro, mais perto do bar, com muito convívio e algumas surpresas, sendo uma delas a passagem a tuno do nosso irmão Luís “Fagundes” Espínola. Muitos parabéns!

Mais uma vez, aqui fica o agradecimento à Secção Académica da Casa do Povo do Souto da Casa, pelo convite e pela organização deste grande evento. Um grande obrigado, também, às nossas guias e a toda a gente que tão bem nos conhece naquela terra e tão nos recebe, sem nunca falhar com nada. Até p'ró ano, Souto da Casa!

Todos os vídeos e mais fotos em: https://www.facebook.com/events/193048627549149/?fref=ts

Saudações Tunantes!

8º Encontro Nacional de Cromatografia

No passado dia 3 de Dezembro, terça-feira, a Desertuna acedeu ao convite do Prof. Dr. João Queiroz, para animar o jantar oficial do 8º Encontro Nacional de Cromatografia, organizado pelo Grupo de Cromatografia da Sociedade Portuguesa de Química e pelo Centro de Investigação em Ciências da Saúde, da UBI.

O jantar realizou-se no Hotel Meliá e foi perante uma sala recheada que, após ter ficado a abertura do jantar a cargo da EncantaTuna, a Desertuna actuou para encerrar as cerimónias. O ambiente mais formal cedo se desfez em sorrisos e brincadeiras, sempre apoiadas pelo público entusiasta, do qual faziam parte investigadores de várias academias portuguesas e até, alguns investigadores estrangeiros.

No final da actuação, o convívio entre os convidados e os Desertunos foi espontâneo, para o que muito terá contribuído a "queimada" e as garrafas de vinho que iam chegando às nossas mãos ;) Estava dado o mote para que a festa continuasse noutro local, o que motivou a tuna a rumar ao bar Atrás da Câmara, acompanhados, para nossa surpresa, de muitos dos participantes no 8º ENC.

Era o início do estágio para o CELTA...

Saudações académicas!


XX CELTA - Certame Lusitano de Tunas Académicas


Na passada Sexta-Feira, 6 de Dezembro, a Desertuna - Tuna Académica da Universidade da Beira Interior, rumou até ao Minho, mais propriamente à cidade de Braga, para participar no XX CELTA, Certame Lusitano de Tunas Académicas, a convite da Azeituna Tuna de Ciências da Universidade do Minho.


O convite para participar, a concurso, na vigésima edição deste já renomeado certame, estendeu-se a outras sete tunas, sendo elas:
TUCP – Tuna Universidade Católica Portuguesa – Porto
TEUP – Tuna de Engenharia da Universidade do Porto
Magna Tuna Cartola - Aveiro
Scalabituna – Tuna Instituto Politécnico de Santarém
Hinoportuna – Tuna Académica I. P. Viana do Castelo
TAL – Tuna Académica de Lisboa
TUIST – Tuna Universitária do Instituto Superior Técnico



O festival viria a contar, ainda, com a participação da Tuna Universitária do Minho e muitas outras surpresas, começando pela apresentação sempre original do festival, a fazer lembrar a participação do nosso irmão Pedro Neves, no FESTUBI. Para esta edição, a Azeituna resolveu revestir o CELTA de uma temática que, só por si, embuiu a cidade e as tunas participantes de uma alegria e "estupidez" naturais: "Celta Azeiteiro"!

Arrancámos da Covilhã ao início da tarde de Sexta-feira, com o espírito e alegria característico desta grande família. Muitos bigodes estranhos naquele autocarro, já para não falar dos cortes de cabelo, no mínimo, embaraçosos...
Em Braga eramos esperados por alguns irmãos mais velhos. Após um final de tarde passado a conhecer os cantos à casa, eis que chegou a hora do repasto. Logo desde então, e visto que a Desertuna só iria actuar no Sábado, o resto da noite de Sexta foi recheada de música e mais música, em momentos onde a TAUBI se deu a conhecer e conquistou os sorrisos e a simpatia da cidade de Braga.
Depois de não darem pelo passar das horas, tal fora a festa frente ao Theatro Circo, eis que as portas da sala se fecham e toda a gente ruma à TOCA, para a festa oficial da primeira noite do XX CELTA. Por entre copos e muitos chapéus a invadir a pista, alguns elementos ainda tiveram tempo para abrilhantar, por algum tempo, a sala dedicada a uma jam session...




No Sábado de manhã, o acordar foi cheio de reboliço e levou a Desertuna, já com um nervoso miudinho, até ao almoço no Insólito Bar. Mas antes do repasto, porque não aproveitar para ensaiar a actuação da noite e talvez algo mais, mesmo ali para toda a gente que ia passando pela rua? O público pediu...

O resto da tarde foi passado entre bifanas e o teste de som, à medida que a noite ia caindo e o grande momento se aproximava...
A Desertuna foi a primeira tuna da noite a subir a palco. A prestação das pandeiretas no “Toninho” deu início a um arranque muito enérgico da tuna, no mítico Theatro Circo, seguido da doce e ternurenta “Covilhã”, em homenagem à nossa Cidade Neve. A actuação atingiu o seu auge com um outro original da Desertuna, “Odisseia”, que deixou arrepios em palco e arrancou fortes aplausos do público bracarense.

No final da sua actuação, os Desertunos não se fizeram rogados e acamparam, de novo, em frente ao teatro, para retomar a festança da noite anterior. Findas as actuações e entregues os prémios, rumo à TOCA! A noite foi rija diferindo da anterior apenas numa leve tristeza pelo fim do festival, que infelizmente se aproximava a passos largos... Contudo, nada interferiu na sede da equipa da Desertuna, que alinhou na Corrida da Cerveja noite dentro, bem como dos restantes elementos que encheram a pista de dança!

De tal forma que o acordar no Domingo foi difícil, apenas melhorando com o típico banquete no McDonalds, mesmo antes do regresso à Cidade Neve.
A atribuição dos prémios do XX CELTA decorreu da seguinte forma:

Melhor Tuna: Desertuna - Tuna Académica da Universidade de Beira Interior
Segunda Melhor Tuna: Tuna da Universidade Católica Portuguesa - Porto
Terceira Melhor Tuna: Scalabituna - Tuna do Instituto Politécnico de Santarém
Melhor Instrumental: Tuna Académica de Lisboa
Melhor Solista: TUIST - Tuna Universitária do Instituto Superior Técnico
Melhor Pandeireta: TEUP - Tuna de Engenharia da Universidade do Porto
Melhor Porta-estandarte: Desertuna - Tuna Académica da Universidade da Beira Interior
Prémio Tema: TUIST - Tuna Universitária do Instituto Superior Técnico
Tuna mais tuna: Desertuna - Tuna Académica da Universidade de Beira Interior

Aqui fica novamente um agradecimento à Azeituna  - Tuna de Ciências da Universidade do Minho e a todos os que fizeram deste XX CELTA um festival inesquecível (em especial ao público da cidade de Braga, aos que acompanharam a Desertuna, e às fabulosas guias!) e, ainda, um "até já!". Este foi, para a Família Desertuna, um reconhecimento do imenso e longo trabalho que tem desenvolvido nos seus 11 anos.

Saudações tunantes!


quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

XI Aniversário da Desertuna - TAUBI


Festa oficial do XI Aniversário

Na comemoração do seu 11º aniversário, a Desertuna organizou uma festança nos Leões, na noite de 19 para 20 de Novembro. A festa contou. obviamente com a atuação da Tuna Académica da Universidade da Beira Interior, onde os boémios trovadores da Covilhã quiseram partilhar com todos os amigos, amigas, fãs e toda a gente boa que nos tem apoiado, a alegria de ser Desertuno e, claro (!), o bolo de aniversário. O bolo foi cortado e servido com banho de champagne, pelo meio do repertório da actuação, quando o relógio marcava a hora certa da efeméride...o momento em que 7 bons rapazes tiveram um sonho e o tornaram realidade.

A animação continuou noite dentro com o DJ Rafa. Foi uma noite memorável, regada com muita folia, animação, amizades e muito bagaço com mel!

Arruada

No dia seguinte, já (parcialmente) recuperados da noite anterior, continuámos com as comemorações do nosso 11º aniversário, desta feita pelas ruas e bares da nossa cidade, ensaiando uns acordes bem encharcados e sempre com boa disposição, perante toda a gente que nos ia recebendo. Com serenatas à antiga pelo meio, a tuna foi fugindo pela calada da noite, tendo acabado no Atrás da Câmara, onde os resistentes do costume foram arrumando umas grades...




VI Dia dos Xás

No passado dia 23 de Novembro, para finalizar a semana comemorativa dos 11 anos da Desertuna, organizou-se, por mais um ano consecutivo, a Gala do VI Dia dos Xás, lugar de belo jantar, boa pinga e do convívio de todos os elementos da tuna, especialmente dedicada àqueles que já não nos podem acompanhar tão bem como decerto quereriam...

O dia de convívio começou no Museu de Lanifícios, onde se juntaram a maior parte dos elementos da tuna, bem ao início da tarde A alegria era visível nos rostos dos nossos elementos, que aproveitaram para deixar a conversa em dia, por entre petiscos e, destaque-se, uma bela jeropiga.
Lá mais para o final da tarde, a tuna respondeu a um convite inesperado e deslocou-se para a Câmara Municipal da Covilhã, onde deu uma pequena atuação, aproveitando para matar o bichinho aos Xás presentes. Na entrada principal da Câmara Municipal, deram-se as boas vindas ao grupo representante da Casa da Covilhã em Lisboa, com as músicas "Hino à Desertuna" e "Rapariga (assim mesmo é que é)". De seguida, a Desertuna subiu em romaria até ao Salão Nobre da Câmara, onde encerrou a sessão oficial tocando a música "Covilhã", dedicada à nossa querida 'cidade neve'.

Chegando a hora de jantar, a Desertuna deslocou-se para o Hotel Tryp Maria, onde iria decorrer o jantar da Gala. No final do jantar, já com muita gente 'mais pra lá do que pra cá', decorreu a apresentação do projecto "Bons Rebeldes", filme elaborado por um dos elementos da Tuna (Daniel "Milhf" Sousa), seguida de um breve discurso de um dos fundadores (Daniel "Xeque Careca" Petrucci), bem como da direção do corrente ano, culminando com a entrega das lembranças. Antes de a tuna deixar o hotel, ainda houve umas tradições estranhas a decorrer nas catacumbas...mas isso já é outra história.

Para acabar a noite, como não poderia deixar de ser, a malta partiu para o bar "Atrás da Câmara", onde a Desertuna partilhou o final da semana de aniversário com toda a gente que por lá se encontrava.

Parabéns Desertuna, Parabéns Desertunos! Vai Tuna!

VIII Barca-Celi - Festival de Tunas Cidade de Barcelos

Dia 8 de Novembro a Desertuna juntava-se por volta das 14:30h para partir rumo a Barcelos, para o VIII Barca-Celi organizado pela TAIPCA (Tuna Académica do Instituto Politécnico do Cávado e Ave). A viagem para Barcelos foi longa mas, como de costume, alegria e música não faltaram!

Recebidos pelos elementos da tuna da casa nas instalações do IPCA, os Desertunos descarregaram as bagagens e seguiram para o jantar (que o dia já ia longo e a lua dava o ar de sua graça). No fim deste e ainda na cantina, os instrumentos voltaram a sair das caixas e as vozes afinaram-se novamente para alegrar toda a cantina do Instituto.

Depois de todos os elementos recuperados da viagem, a Desertuna seguiu para o Largo da Porta Nova, um sítio lindíssimo onde tiveram lugar as serenatas pelas tunas a concurso. A actuação das Tunas foi em frente à igreja do Bom Jesus da Cruz, que estava iluminada a rigor.


A primeira noite na cidade de Barcelos culminou num convívio das Tunas no café “Garden”. A noite não acabou por ali até porque, já se fazia dia quando todos, bem regados pelo nosso fiel companheiro bagaço com mel; rumaram até ao “Xispes”, onde alguns provaram o tão famoso panado de Barcelos. 


















No sábado, devido ao mau tempo que se fazia sentir em Barcelos, principalmente a chuva, não se pode realizar o passa-calles. A Desertuna juntou-se então no café “Histórico” para mais animção e ao mesmo tempo rever uns pormenores para a atuação no espetáculo de logo!

No final da tarde foi tempo de regressar ao IPCA para jantar e receber os restantes membros da Desertuna que tinham chegado da Covilhã. Depois de mais umas modinhas e uma bela serenata às cozinheiras, chegou a altura de partir para o auditório São Bento Menni, para a actuação.

As Tunas a concurso foram:
DESERTUNA - Tuna Académica da Universidade da Beira Interior
IMPERIAL NEPTUNA ACADÉMICA -Tuna da Cidade da Figueira da Foz
TAULP - Tuna Académica da Universidade Lusíada do Porto
TAUP - Tuna Académica da Universidade Portucalense
TRANSMONTUNA - Tuna Universitária Trás-os-Montes e Alto Douro
           
As actuações no auditório começaram com a TFIPCA - Tuna Feminina do IPCA que actuou como Tuna convidada.

            Seguiram-se as outras Tunas. A Desertuna foi a quarta Tuna a concurso a actuar, e foi uma actuação em cheio. A boa disposição e a confiança faziam-se  sentir entre a Tuna, que foi premiada com uma ovação em pé de toda a plateia no final da actuação.





Os prémios foram distribuidos da seguinte maneira:
Melhor Serenata - TAULP - Tuna Académica da Universidade Lusíada do Porto
Melhor Solista - TRANSMONTUNA - Tuna Universitária Trás-os-Montes e Alto Douro
Melhor Estandarte - DESERTUNA - Tuna Académica da Universidade da Beira Interior
Melhor Pandeireta - DESERTUNA - Tuna Académica da Universidade da Beira Interior
Melhor Instrumental - DESERTUNA - Tuna Académica da Universidade da Beira Interior
Tuna mais Tuna - TRANSMONTUNA - Tuna Universitária Trás-os-Montes e Alto Douro
3ª Melhor Tuna - IMPERIAL NEPTUNA ACADÉMICA -Tuna da Cidade Figueira da Foz
2ª Melhor Tuna - TRANSMONTUNA - Tuna Universitária Trás-os-Montes e Alto Douro
Melhor Tuna - DESERTUNA - Tuna Académica da Universidade da Beira Interior





























No final da actuação seguiu-se o convívio com as outras Tunas e, uma vez que era a última noite, voltou a estender-se pela madrugada dentro, tanto a animação e a folia como o bagaço com mel que restava!

Na manhã de Domingo, como habitual, a vontade de levantar era pouca ou nenhuma, mas estava na hora de regressar para a Covilhã. O autocarro foi-nos buscar ao albergue “Casa da Recoleta”, onde estivemos (muito bem) alojados as duas noites. Depois de carregar tudo para o autocarro, iniciámos a nossa viagem que, apesar do sono e do cansaço, foi novamente recheada de animação e de criatividade na interpretação de algumas músicas da nossa Tuna.

Saudações tunantes!

IV Congresso Nacional de Tradição Académica

Na passada quinta-feira, dia 7 de Novembro, a Desertuna deslocou-se até ao Bar Académico, a convite do Fórum Veteranum, para animar a noite de convívio, no âmbito da abertura do IV Congresso Nacional da Tradição Académica.

A Desertuna começou a actuação por volta da 1h da manhã e o público mostrou-se sempre entusiasmado, acompanhando a tuna em cada música que era tocada! Público este que era constituído, na sua maioria, por alunos da UBI, mas que integrava também membros de organismos ligados à praxe de diversas academias, nomeadamente do Minho, Évora, Porto, Coimbra, Aveiro, Trás-os-Montes e Leiria.

A Tuna presenteou a festa com um reportório que abrangeu vários estilos, sendo que o ponto mais alto terá sido, concerteza, o apoio ensurdecedor do público, durante a "Caloirinha dos Meus Sonhos"...

Fica também um grande agradecimento pelo convite para participarmos neste IV Congresso Nacional de Tradição Académica, tão agradável, com esperanças que se venha a repetir!

Saudações académicas!

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Desertuna na Semana do Caloiro da Guarda!

No dia 6 de Novembro do corrente ano, a convite da Associação Académica da Guarda, a Desertuna marcou presença na Semana do Caloiro 2013. Desta feita a passagem foi pelo palco do Pavilhão do Estádio Municipal da Guarda.

Partindo da Covilhã pelas 18h, os recém-chegados à Guarda partiram logo para o teste de som. De seguida, já sob a luz do luar, o destino foi a cantina do IPJ, onde a Tuna foi muito bem recebida com um delicioso jantar. No final da refeição, como agradecimento, e para cumprir tradição, foi cantada uma serenata às senhoras da cantina; que nos acolheram com muita simpatia. Antes de seguir caminho para o pavilhão onde  a atuação iria decorrer, a Desertuna esteve no "bar" para dar umas voltas ao repertório, e também para conviver com os egitanienses que estavam presentes. 

            Por volta da meia-noite dirigimo-nos para o pavilhão, que, com um pequeno atraso da atuação, rapidamente se encheu de pessoas que nos queriam ouvir.
Durante o resto da noite a Desertuna juntou-se ao público para partilhar uns "finos" e divertir-se com os estudantes da Cidade dos 5 F’s! A boa disposição fez por de lado o frio que se fazia sentir e a animação imperou noite fora!
Um bem-haja a todos os presentes por terem estado connosco nesta noite!


Saudações tunantes!

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Desertuna na Recepção ao Caloiro 2013

Tal como manda a tradição, na última quarta-feira, dia 23, a Desertuna subiu ao palco de Mai’ uma mítica Receção ao Caloiro e atuou perante um público ainda em recuperação de mais uma latada fatigante e molhada.
A Desertuna foi a quarta tuna a atuar e, mais uma vez, foi brindada por público animado, com o qual interagiu bastante. Agradecemos desde já, pois é graças (e para) vós que nós lá estamos todos os anos!

Foi uma noite plena de surpresas. Uma delas a apresentação do novo medley da Desertuna, que é composto por músicas da grande banda de rock brasileira Mamonas Assassinas ao pavilhão da ANIL. Outra surpresa foram as várias bolas insufláveis gigantes que foram atiradas para o público que não hesitou em fazê-las rolar pavilhão fora.
Não bastava já a folia que se havia criado e, do nada (...!), eis que surgem dois dançarinos, o “Manel e a Maria”, que dançaram o vira ao som de um dos temas da banda.


* Fotografias por João Pedro Jesus

Depois da atuação a animação continuou fora do palco, junto aos balcões onde, entre cerveja e shots, se viveu e conviveu em mais uma noite dos tradicionais festejos da Receção ao caloiro que findaram já os primeiros raios de sol se viam surgir.
Resta-nos agradecer à AAUBI pelo convite e a todos os que nos apoiaram, estando presentes ou não, com a promessa de voltar à ANIL já pela Semana Académica 2014, cheios de força!
Desejamos também os parabéns a todos os caloiros e respetivas comissões de latada pelo esforço investido na Latada.


Já que o espírito é de folia e de celebração da chegada dos novos caloiros à academia, também a Guarda celebra a sua Semana do Caloiro. A Desertuna recebeu o convite para estar presente e, já no próximo dia 6, irá subir a palco. Esperamos ver-vos por lá! Aqui fica o cartaz:



Saudações tunantes!

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Viagem ao Canadá... o relato na 1ª pessoa!

O propósito
         Expressando uma enorme vontade de nos receber, o Sr. Presidente da Casa das Beiras de Toronto, Bernardino Nascimento, endereçou à Desertuna – Tuna Académica da Universidade da Beira Interior um convite para estar presente na Semana Cultural Beirã de 2013. O intuito da invitação era claro: levar um pouco de Portugal e do espírito académico beirão traduzido nas trovas destes jovens até àquela comunidade de génese portuguesa e das beiras. Representando a Universidade da Beira  Interior, a academia e casa que apoia e acolhe no seu berço esta Tuna, estes levariam ao ombro a insígnia máxima desta casa. O traje académico, indumentaria que traz enraizado um património cultural que lhe deu forma, seria mais uma forma de mostrar um pouco da sua entidade.

19 de Setembro, a partida
De bagagens prontas e passaportes na batina, os trovadores tunantes reuniram esforços e deu-se início àquela que seria a 1ª viagem da Desertuna ao outro lado do Atlântico. Destino: Toronto! Reunidos na Cidade Neve, um grupo de 16 jovens preparou-se para rumar a Madrid, onde seria apanhado o primeiro voo, direcção a Filadélfia. Os ponteiros marcavam as 4 da manhã quando se fizeram à estrada e a chegada a Espanha já se deu sob a luz do amanhecer.
Chegados ao aeroporto, preparadas as bagagens e aprumados os instrumentos, a Tuna pronto se perfilou e deu um pequeno espectáculo para os “nuestros hermanos”, que, no que tocou a aplaudir e viver a actuação, deixaram a modéstia e aplaudiram a tuna do país vizinho.
De emblema de Portugal às costas e de brasão da Universidade da Beira Interior ao peito, o check-in fez-se e o início oficial da viagem estava assinalado. Destino: Filadélfia (o outro lado do oceano). Depois de um pouco mais de 7 horas de voo, a alguns deles esperava-os uma escala de quase outros tantos minutos (cinco horas), os restantes seguiram quase directos. Um “quase” travado por mais umas cantorias para as simpáticas senhoras cujo olhar curioso indagava o porquê das indumentarias dos rapazes de negro académico.



Todos a bordo! Já se passavam quase 24 horas (pelo fuso-horário de Portugal), quando os dois grupos pisavam já solo Canadiano. À espera da Desertuna estava uma outra Tuna que também constava do cartaz da Semana Cultural Beirã 2013, a Luso-Can Tuna. “Welcome Desertuna”, a inscrição do cartaz por estes erguidos ao dar com o grupo recém chegado. Recebidos com um farto farnel e boa disposição, conheceram a localidade de Ontário, onde ficariam hospedados nos próximos dias. A entidade que havia feito o convite, a Casa das Beiras, abriu assim portas a este grupo de tunos que tanto almejavam receber.



Depois de acolhidos nos simpáticos e afáveis lares das famílias portuguesas residentes na área envolvente da Casa, foi tempo de se acostumarem a um fuso-horário de menos 5 horas que o país de onde tinham então chegado.
Passada uma tarde de folia e alguma boémia, começaram os ensaios que pronto atraíram os olhares curiosos dos que por ali começavam a ouvir um pouco do espírito académico trazido do seu país natal! Preparava-se a actuação da noite, na abertura oficial da Semana Cultural Beirã de 2013.
Depois de aquecidas as vozes, chegou a hora de fazer uma visita a uma rádio local. O Presidente da Casa das Beiras e o Magíster da Desertuna, Edgar “Peguis Hilton” Mendes, foram convidados para falar um pouco do programa da Semana Cultural e da Desertuna, respectivamente.



Marcavam as 22h e piques quando a Tuna subiu a palco. O espectáculo com algumas das músicas que mais caracterizam a Desertuna, como a “Covilhã” e o “Boémio Trovador”, pôs de pé os presentes na sala, que não hesitaram em aplaudir e juntar-se ao ambiente de festa que já se fazia notar no espaço. A primeira actuação foi assim consolidada e o público da comunidade de coração e alma portugueses ficou rendido às trovas destes estudantes da beira interior.
No final das actuações programadas para a noite de abertura, a Tuna ficou pelo espaço onde se juntou aos convidados, dos quais faziam parte os membros da Luso-Can Tuna, que depressa se juntou à Desertuna para umas modinhas que ecoaram noite fora.

Já no dia seguinte...
                Recuperados das poucas horas de sono, era hora de brindar os patrocinadores deste belo evento e assim, os Desertunos foram tocar umas modinhas pelos vários estabelecimentos que de alguma forma contribuíram para esta semana.
Mais tarde houve também tempo para conhecer melhor as imediações da Casa das Beiras. O intuito seria descobrir um pouco mais da cultura e hábitos quotidianos do Canadá, sem, claro está, descurar a procura por algumas lembranças do país. Tanto no almoço como ao jantar fomos recebidos, como seria ao longo da semana, por um manjar preparado pelo Chef visiense, o Sr. Manuel Pires, que preparou iguarias tipicamente da beirãs!


        Sendo que o dia anterior tinha também ajudado a repor energias despendidas em viagens e passeios a pé, desta vez o dia tinha um objectivo principal: ir visitar a baixa da cidade. Conduzidos por alguns dos membros da direcção da Casa anfitriã, deslocámo-nos até ao centro de Toronto. Um dos marcos desta tarde foi a visita ao interior da Biblioteca Municipal de Toronto, um edifício imponente. Depois de passar por centros comerciais, cafés como o Hard Rock Toronto e outros marcos de interesse turísticos, regresso a casa com algumas lembranças! Assim se passou um dia inteiro a conhecer melhor o lado mais citadino da cidade.


24 de Setembro
           A convite do Presidente da Casa das Beiras, a Desertuna teve a oportunidade de visitar a Câmara Municipal da cidade. Depois de ver as instalações interiores, como a sala de reuniões principal, alguns escritórios e espaços de trabalho ou apresentações; fomos ainda presentados com uma pequena lembrança da nossa visita: um pin da cidade de Toronto!
No fim da visita que havíamos feito, tivemos ainda a oportunidade de conhecer pessoalmente o Mayor Rob Ford, um presidente que fez questão de fazer uma pausa para nos receber, falar connosco e ainda tirar um fotografia para o registo do acontecimento.


        Depois do programa que nos prepararam para o dia, coube aprontar as vozes e os instrumentos para mais uma actuação no salão da Casa das Beiras. Desta feita o repertório diversificou um pouco mais, para que assim também pudéssemos dar a conhecer outros temas por nós interpretados.

Visita às Cataratas do Niágara
                O dia começou em grande com um convite da Sra. Fátima, locutora portuguesa de uma outra rádio de Toronto com um pequeno programa musical, a Desertuna tocou em directo para todos os ouvintes da rádio duas músicas do seu repertório e entretanto apresentou os membros que participaram na viagem.
                Como “ir a Roma e não ver o Papa”, seria ir ao Canadá e não ver um dos seus maiores pontos de interesse turístico, as Cataratas do Niágara. E assim, finda a actuação radiofónica, a Desertuna parte numa pequena viagem até à fronteira entre a província de Ontário e o estado de Nova York para vislumbrar a maravilha natural que serve de fronteira entre dois países. Aí a Desertuna perfilou mais uma vez para dar uma pequena actuação a todo o público turístico que por ali passava. Perguntas e palavras de admiração dirigidas à tuna não faltaram, pois aquele traje negro Ubiano chamava bastante à atenção e distinguia-se entre as pequenas multidões que se deslocavam freneticamente rio acima e abaixo.


26 de Setembro
         Como o dia anterior tinha sido bastante agitado e cansativo, os elementos desta tuna puderam, desta vez, desfrutar de um dia mais calmo e pachorrento, fazendo mais uma vez um pequeno passeio pelas imediações da Casa das Beiras.
                No entanto o dia ainda tinha muito para dar, pois a Desertuna tinha preparada para a noite uma surpresa especial. No salão principal da Casa, as luzes apagaram-se para dar lugar ao calor da chama das velas. Sentia-se agora no ar um clima de romantismo, e fizeram-se ouvir ternurentas serenatas a todas as damas presentes, em especial e em tom de agradecimento às senhoras que nos acolheram em suas casas e que nos estimaram como se de seus filhos nos tratássemos. Este gesto não foi indiferente a ninguém, conseguindo-se ver algumas lágrimas carinhosas derramadas enquanto se esboçavam sorrisos nos rostos de quem tão bem nos recebeu.


28 de Setembro
Este era o grande e último dia. Para o encerramento da semana cultural estava agendada uma actuação da Desertuna. Assim os elementos desta tuna subiram a palco para dar o melhor que tinham. Presentearam o público presente com 90 minutos de música, alegria e boa disposição. O público aderiu muito bem e juntou-se à festa que a tuna estava a fazer, dançando e cantando com energia.
Entre danças e cantorias iam aparecendo algumas surpresas. Como forma de agradecimento a Desertuna deixou a cada família que nos acolheu, à Casa das Beiras e ao Chef que tão bem nos serviu, algumas lembranças.



No entanto as surpresas não pararam por aqui, desta feita foram os Desertunos os surpreendidos, ao ver que todo o público se tinha juntado para oferecer à tuna a oportunidade de visitar no dia seguinte a CN Tower. Este gesto demonstrou todo o carinho que o público teve pela Desertuna e deixou os nossos elementos com a lágrima no canto do olho.
Mais tarde, antes da última música se fazer ouvir a Desertuna é mais uma vez surpreendida, desta vez com uma intervenção do Presidente da Casa das Beiras que, para espanto de todos, fez da Desertuna Membro Honorário da Casa das Beiras, entregando também a Chave desta casa.
Já com a saudade a pesar nos corações a tuna tocou assim a última música que animou o final da noite, recebendo uma ovação de pé de todo o público.


CN Tower
         O dia começou bem cedo, com um jogo de futebol intercontinental logo pela manhã. O campo reunia a equipa da Casa das Beiras e a equipa da Desertuna para uma disputa amigável.  Exercício matinal, aliado à boa disposição e diversão que os 90 minutos de jogo proporcionaram, garantiram as energias necessárias para o resto do dia. No final a troca de apertos de mão e sorrisos reafirmaram os laços de amizade que já se tinham criado durante a curta estadia em solo canadiano.
                Após um almoço vitamínico e revigorante a Tuna partiu em direcção ao centro da cidade, tendo como destino a CN Tower. Com os bilhetes já comprados com a preciosa ajuda do público, a Desertuna ascendeu até perto do topo dos quase 600 metros que o edifício ostenta. A vista sobre a cidade não deixou nenhum elemento da Tuna indiferente, e tornou ainda mais memorável esta viagem além-mares.
             


30 de Setembro - Regresso à Cidade Neve
         Os despertadores tocaram cedo, estava na hora de voltar a fazer as malas, a viagem com destino a território lusitano aproximava-se. A despedida das famílias que nos acolheram foi o momento mais penoso do dia, e até se soltaram algumas lágrimas. Ainda assim ficou o sentimento de grandes amizades e momentos únicos vividos ao máximo.
Do aeroporto a Tuna partiu novamente em direcção a Filadélfia, em três pequenos grupos. Após a escala estava na hora da viagem sobre o Oceano Atlântico com destino a Madrid. E ao chegar a Madrid a viagem continuou com mais algumas horas de carro até solo português, e pouco depois à bela Cidade Neve.
Culminava assim esta viagem e aventura da Desertuna até ao Canadá. De lá trouxemos o sentimento de dever cumprido, com grandes memórias e momentos únicos.

Deixamos aqui também o nosso agradecimento especial à Casa das Beiras, à Luso-Can Tuna, às famílias que nos acolheram e ao maravilhoso e afável que nos aplaudiu. Deixamos também um agradecimento à Universidade da Beira Interior e a todos os que tornaram esta viagem possível e inesquecível.

Saudações tunantes!

Actuação em S. Francisco de Assis

Na solarenga tarde de dia 5 de Setembro, a Desertuna visitou a bela localidade de São Francisco de Assis para levar animação à festa da aldeia.


Com a chegada ao recinto de festa, a tuna não se alongou e começou logo a tocar algumas músicas populares, juntamente com alguns dos originais da tuna como o Hino à Desertuna, Toninho, Covilhã e Boémio trovador!





Depois da actuação, a tuna juntou-se à festa! Já nos comes e bebes, com o belo do frango assado, uma cervejinha fresquinha e uma chouriça bem assada, a tuna fez questão de estar presente e conviver com todas as pessoas presentes.

Já a noite caía, e houve ainda tempo para entoar uma bela serenata com a nossa adaptação da música "Zorro".

Assim se passou um dia de festa a que a Desertuna fez questão de se juntar com toda a boa disposição e animação habituais!

Saudações tunantes!